Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




No Control || 12

por ivy hurst, em 25.10.17

12.png

 

------------------------------------------------------------------------

 

- Se for menino é Wolf, se for menina vai chamar-se Devin. - Respondeu Tom com um sorriso, olhando para Agnes que assentiu de imediato, em concordância. - E vocês também têm que começar a pensar nisso. - Riu-se divertido.

 

Tash sorriu, completamente atrapalhada. Eles já tinham os nomes pensados e os loiros ainda nem tinham falado nesse assunto! - Pois... - Comentou com um sorriso carinhoso, mordiscando o lábio. - E o casamento? Já sei que vai ser no Havai depois do bebé nascer... Mas já pensaram em mais alguma coisa? Convidados, o sítio da cerimónia e do copo de água...?

 

- Não, tenho que ver isso tudo, mas ainda tenho tempo. - Agnes encolheu os ombros, agarrando no seu telemóvel.

 

- Não é bem assim, acho que devias preparar tudo já, porque quando o bebé nascer, vais querer casar e não vais conseguir porque o teu tempo vai ser só para ele. - Opinou Bill, olhando-os num tom calmo e vendo o seu irmão assentir de forma rápida.

 

- Eu concordo. - Falou a loira, assentindo também. - Assim vais já escolhendo as coisas e quando chegar a altura, se for precisa a nossa ajuda, já passa a ser muito mais fácil porque temos uma ideia já. - Explicou, tentando que a morena começasse a contar as suas ideias.

 

- Eu tenho as minhas ideias todas organizadas, preciso só de as deixar com a organizadora, uma empresa lá do Havai e limar algumas arestas. - Explicou com calma. - Já tenho tudo idealizado, quero que saia assim e pronto. É só dizer-lhe! - Sorriu. A loira sorriu, assentindo. Como raio ia ela preparar o casamento da amiga se ela não lhe queria contar os pormenores? Estava tramada! Com sorte o empregado regressou com as refeições e desta vez não olhou para ninguém. Pousou os pratos na mesa e quando estavam já todos servidos, saiu logo dali.

 

- Bom apetite! - Desejou Tash, começando a comer de imediato. A loira nunca tinha comido tão bem na vida como agora. Comia e saboreava à vontade e já nem se importava com os quilos ou o que fosse.

 

- Como é que gostavas que o Tom fosse Agnes? - Procurou saber Bill, olhando para a morena com um sorriso curioso.

 

- O mais normal possível, se vamos casar na praia ele que nem pense ir de fato completo. É uma autêntica barbaridade. - Começou por dizer. - Calças mais clássicas ou calções, camisa branca, até pode pôr um lacinho, mas nada de fatos completos. - Avisou, olhando o namorado.

 

- Por ti ele até ia só de lacinho, mas pronto... - Brincou a loira, provocando uma gargalhada geral. - O teu casamento vai ser lindo amor, tenho a certeza disso. - Sorriu à amiga, continuando a comer com todo o gosto.

 

- Claro que vai ser lindo, tem a noiva mais bela de todas lá, que ainda por cima é minha, portanto vai ser perfeito! - O moreno sorriu a Agnes, beijando-a carinhosamente depois.

 

- Por mim ia mesmo só de lacinho e boxer da Calvin Klein. - Concordou, degustando a sua carne que tanto desejava naquele momento. - Isto está mesmo bom. - Disse, olhando para todos enquanto mastigava o pedaço de carne. Tom sorriu e levou uma das suas mãos a acariciar a barriga da noiva.

 

- Come tudo, amor. - Pediu com carinho, começando ele a comer também. Enquanto os morenos estavam a ser carinhosos um com o outro, os loiros estavam meio calados. Natasha escolheu o silêncio enquanto comia, concentrando-se apenas na refeição.

 

- E vocês ainda estão de costas voltadas ou já se dão melhor? - Questionou Agnes, não tendo qualquer problema em fazê-lo.

 

- Estamos melhor, mas está a ser difícil algumas coisas. - Comentou Bill, comendo a sua refeição sem pausas. - Mas não vou falar senão ela acha que eu estou a ser rude e bruto e todas essas coisas negativas sobre mim. - Deixou escapar.

 

- Eu não te acho rude nem bruto. - Respondeu de imediato, acabando de comer o que tinha na boca para poder continuar a falar. - Eu não tenho sido propriamente fácil de lidar também e isso não ajuda. Sei que cometo alguns erros e peço desculpa por isso. - Afirmou honestamente, olhando o namorado. Não era como se andasse a atirar-se ao namorado a torto e a direito só para o irritar. E ela mal se atirava, ele é que a entendia demasiado bem e chegava lá antes de ela ter hipótese de o fazer sequer.

 

- Pronto, eu não te vou massacrar com isso. Vou esperar que metas a mão nos teus atos e que te saibas controlar. Agradeço-te imenso que o faças! - Falou também de forma bastante honesta e muito típica nele. - Sabes perfeitamente que se não te amasse tanto quanto amo, que cagava em ti e te deixava na sargeta. - Comentou.

 

- Isso é verdade... - Concordou Tom, olhando para ambos. - Mas vocês só têm que voltar ao que eram antes de namorarem, não ao que eram há 2 meses atrás. Precisam de se reconquistar... - Opinou.

 

Tash não sabia bem se aquele era um bom conselho para aquele momento. Antes de namorarem a relação deles era basicamente sexual, não muito mais do que isso. - Sou eu quem tem de reconquistar o teu irmão, ele não precisa de reconquistar nada. - Sorriu, terminando de comer pouco depois. - E eu sei perfeitamente disso. Sei que se não me amasses, eu não estaria aqui agora.

 

- Era aí mesmo onde queria chegar. - Apontou Tom, limpando a boca. - Antes de namorarem, foi ele que te conquistou. Seja de que maneira for, ele fê-lo! Agora é a tua vez... - Sorriu-lhe.

 

- Ah, foi muito simples! Aquele "Olá, boa tarde! Faça o favor de entrar" misturado com aquele sorriso dele cativaram-me logo. - Riu baixinho, olhando o namorado. - Mas sim. Agora é a minha vez. - Sorriu docemente ao namorado, acariciando-lhe a mão. Ela ia fazer de tudo para reconquistá-lo, disso não tinha dúvidas!

 

- O gajo tem um sorriso bonito. - Gracejou Bill, rindo-se sem conseguir deixar de fazê-lo. Estava orgulhoso de si e não se arrependia de nada na sua vida até aquele dia.

 

- Tem mesmo! - Gargalhou, bebendo um pouco de água. - Sabes, Tom, o teu irmão às vezes fazia-se muito durão, sempre muito sério, nada o afetava e tudo isso... Mas eu sempre soube que ele era boa pessoa, um amor de pessoa. E não precisei de muito tempo para confirmar isso e descobrir mais qualidades. Não foi só o sorriso e o sotaque que me cativaram. Foi a personalidade, a sua maneira de ser. - Tash olhava-o com um grande sorriso, recordando o início da relação deles. - Eu espero que o teu irmão saiba o quanto eu me orgulho dele. - Apesar de estar a falar para Tom, ela não conseguia deixar de olhar para Bill. - E eu amo-o. Ele é o homem da minha vida, pai do filho que tenho no meu ventre.

 

- Oh, essas declarações deixam o menino a chorar. - Brincou Tom, apercebendo-se de que o irmão estava mesmo bastante emocionado com tais palavras. - Ele é uma pessoa toda melosa, bem mais do que eu. - Concordou, sorrindo por ver o seu irmão sem jeito.

 

- Não faz mal, eu amo o teu irmão de todas as maneiras. O meu menino pode chorar à vontade, não me importo. - Informou, limpando-lhe as lágrimas. - Gosto de todos os Bills, desde o Bill zangado até ao Bill emocionado. Orgulho-me dele sempre. Amo-o sempre. E eu espero que ele saiba mesmo o amo imenso. Faria tudo pelo meu Bill. Morria por ele, se fosse preciso. Sou dele e só dele, de mais ninguém. - Murmurou, beijando-lhe depois a mão. - Ouviste bem? Eu amo-te, agora e sempre.

 

- Está bem, para com essas coisas que eu tentei meter respeito ao empregado e estou aqui a chorar. - Resmungou de uma forma cómica, escondendo a cara no pescoço da loira.

 

- Sempre o mesmo! - Gargalhou Agnes, terminando a sua refeição e seguidamente a sua limonada de frutos vermelhos.

 

A loira sorriu docemente e abraçou o namorado, acariciando-lhe as costas. - Quero lá saber do empregado, ele que se foda. - Resmungou divertida, obrigando-o a encará-la. - Amo-te. - Sussurrou-lhe, beijando-o apaixonadamente depois. 

 

- Que pena eu não ter gravado isto, ora bolas. - Comentou Tom, rindo baixinho.

 

- Também te amo... - Respondeu, ainda antes de corresponder ao seu beijo. Explorava-lhe a boca com saudades, acariciando-lhe o rosto de forma delicada e sempre com a mesma dedicação que aplicava nela. Independentemente de tudo, Bill continuava a ser louco por ela.

 

A loira não exagerou no beijo nem insistiu de forma alguma, deixando que o mesmo terminasse quando Bill assim o quis. Ela deu-lhe a mão, entrelaçando os seus dedos nos dele e olhou depois o casal amigo. - Querem sobremesa?

 

- Epá... - Tom fez um ar sério, coçando o queixo. - Depois deste mel todo, não sei se ainda tenho espaço para mais algum doce. - Brincou, desatando a rir.

 

- Oh amor, eu dou-te o doce. - Respondeu Agnes, passando a mão sobre a zona íntima do rapaz. Aqueles dois eram mesmo assim!

 

- Não admira que já estivesses grávida antes do tratamento acabar, passam a vida a comer-se. - Riu-se Bill, olhando para o casal de igual forma.

 

- Ah, disso eu gosto! - Comentou de imediato, mostrando um sorriso perverso à namorada. - Acho que está na hora de levar a mulher para casa. - Comentou num tom sério, mas deveras engraçado. Tash ria-se à gargalhada, encostando-se a Bill.

 

- Ai minha nossa senhora... É melhor pagarmos a conta antes que comam o doce aqui mesmo! - Avisou, levantando-se com cuidado.

 

- Não vamos nada para casa, preciso de comprar calças para esta barriga. - Informou de imediato, levantando-se também da mesa. - E vestidos que está um calor do inferno aqui. - Acrescentou.

 

- Se quiserem acho que podemos ir convosco... - Avisou Tasha, sorrindo à amiga. - Mas se quiserem ir só os dois nós compreendemos perfeitamente! - Avisou de imediato, com um sorriso carinhoso.

 

- Não, vamos todos e assim compras para ti também. - Respondeu Agnes, ajeitando o seu longo vestido na barriga.

 

- Sim, também vais precisar. Quando menos esperas, ela salta como a da Agnes. - Argumentou Bill, olhando-a enquanto lhe acariciava a barriga.

 

- Não duvido! Então pronto, vamos todos juntos e compramos coisinhas de grávidas! - Sorriu, esperando até a conta estar paga, e depois seguiram para as compras.

 

 

As duas semanas seguintes foram extremamente atarefadas, especialmente para Natasha. Para além das aulas, dos treinos com as armas e tudo isso, Tash andava também a planear o casamento da amiga. Tudo isso combinado andava a deixá-la de rastos, mas não parou por nada. Sentia-se grata por ter comprado roupas naquele dia em que saíram juntos, pois a meio da segunda semana a sua barriga cresceu bastante. Já não estava lisa, e notava-se perfeitamente no corpo dela, especialmente quando usava algo mais justo. A relação dela com Bill melhorou imenso naquelas duas semanas, de tal forma que de vez em quando já ficavam os dois no sofá ou na cama nos beijos e carícias. No dia antes de partirem, Natasha ainda teve uma aula com a amiga, mas depois disso foram logo para casa. Foi só a loira ficar sozinha no carro já estacionado, e em seguida fez tudo à pressa. Saiu e trancou o carro, entrou em casa o mais rápido que pôde e assim que trancou a porta deixou tudo cair no chão. Correu até à casa de banho mais próxima, vomitando tudo o que já tinha comido naquele dia. Estava nervosa por causa do casamento, tinha receio de desiludir a amiga, e isso estava a dar com ela em doida. Para além disso, o cansaço tinha-se acumulado também, o que não era nada bom. Quando terminou, deixou-se cair no chão e ali ficou. Não sabia se o namorado estava em casa, mas também não fazia diferença. Estava sem forças naquele momento e não conseguia levantar-se dali.

 

- Natasha! - Gritou Bill assim que viu a sua namorada estendida no chão, mais parecendo morta que outra coisa. - Natasha, estás viva? - Questionou estupidamente, ajoelhando-se ao lado dela e agarrando-lhe na cara. - Bolas! Eu sabia que isto não era boa ideia. Foda-se! - Rosnou assim que a viu reagir, pegando nela de forma a deixá-la mais direita.

 

A loira abriu os olhos calmamente e assentiu. - Eu estou bem. - Murmurou, mesmo sem mexer um braço que fosse enquanto o namorado pegava nela. Parecia quase uma boneca. - Estou só cansada... E nervosa. - Sussurrou, olhando Bill. A mão dela acabou por ir parar ao seu ventre, e ela fez uma pequena careta. - Ajuda-me a levantar, tenho de ir acabar de fazer as nossas malas ainda. Por favor...

 

- Vais estar quieta! - Elevou o tom de voz, de maneira a que ela percebesse que o caso era sério. - Eu acabo as malas e vamos hoje para o Havai. Já chega desta confusão, estás a stressar-te e podes deixar o nosso filho em sofrimento. - Olhou-a nos olhos.

 

- Amor não te zangues comigo por favor. - Pediu baixinho, encarando-o. - Só tenho feito o que me foi pedido, o que combinámos. Eu só estou nervosa porque tenho medo de não estar ao agrado dela, de a desiludir e não lhe dar o casamento que ela queria e sonhava. - Explicou-se, abraçando depois o namorado. - Não íamos amanhã? Vamos hoje porquê?

 

- Eu sei que estás com medo, mas está tudo perfeito, como ela te escreveu no papel que queria. - Começou por dizer, suspirando de forma pesada. - Tu não podes fazer mais nada agora, vamos para lá hoje para descansares. - Informou de forma calma, beijando-lhe a testa enquanto a erguia.

 

- Está bem amor. - Murmurou, segurando-se a ele com a pouca força que tinha naquele momento. Apesar de ter engordado alguns quilos, Tash ainda tinha um corpo bem trabalhado graças aos treinos e exercícios. - Quando vamos? - Perguntou quando já estava sentada na cama, olhando o namorado. Parecia algo perdido sem entender o que mais poderia faltar. - As minhas lingeries, estão aí nessa gaveta. - Apontou, apontando de seguida para o closet. - O meu vestido para o casamento. E a tua roupa. - Informou, vendo Bill a espreitar para dentro do compartimento plástico que guardava o vestido da loira. Tinha uma grande racha e ainda não lhe tinha mostrado. - Hey, não espreites! Não era para veres, era surpresa. - Resmungou, sorrindo.

 

- Me gusta deste corte e deste decote. - Comentou, colocando o vestido numa única mala, assim como a sua roupa para o casamento. Ia quase igual ao seu irmão, mas em vez de laço, levava suspensórios. - O que falta mais? - Procurou saber, após guardar tudo o que a loira lhe dizia.

 

- Eu sei que tu gostas que eu ande assim toda bem vestida quando estou contigo, e eu também adoro, por isso, achei boa ideia. Já para não falar que esse vestido é lindo, leve, fresco, e fica-me muito bem! - Sorriu, despindo a sua roupa por instantes, ficando apenas com a roupa interior. Tash deitou-se e respirou fundo, pensando por instantes. - Penso que está tudo, amor.

 

- Ok, vamos então aproveita a tarde na piscina. - Informou, agarrando num biquíni de Natasha e pousando-o ao lado dela. Puxou-a por um pé para a ponta da cama e com uma mão, desapertou-lhe o soutien na parte da frente, beijando-a entre os seios e descendo assim os beijos até ao ventre. - Cucu princesa do pai. - Riu, beijando-lhe a barriga de forma barulhenta e erguendo-lhe o tronco. - Vá, veste a parte de cima. - Pediu, estendendo-lhe a mesma.

 

Tash levantou a cabeça de modo a observar o que o namorado fazia, sorrindo imenso. Vestiu a parte de cima assim que o loiro mandou e esperou que lhe apertasse o biquíni. - Também me vais despir o resto? - Perguntou baixinho, mordiscando o lábio.

 

- Tu querias, mas como quase pediste, vais tu fazê-lo. - Brincou, afastando-se dela e começando a despir-se. Bill era assim, apenas fazia aquilo que queria e quando queria! - Depois chega-te aqui para passar creme, precisas de te proteger. - Pediu.

 

- Sim boss! - Murmurou num tom algo sedutor, retirando as suas cuecas lentamente depois de se levantar. Estava de costas para o namorado, mas tinha quase a certeza que ele tinha espreitado pelo menos uma vez. Vestiu a parte de baixo do biquíni e em seguida aproximou-se de Bill, já com o creme.

 

Bill abriu os braços e ficou imóvel, esperando que a namorada o besuntasse de creme. Tinha-a chamado para colocar creme e sabia que ela ia resmungar, mas mesmo assim decidiu brincar com a situação. - Não demores muito, senão crio raízes. - Resmungou.

 

A loira topou-o de imediato, por isso não disse nada e começou a espalhar-lhe o creme. Ajoelhou-se e colocou o creme nas pernas dele, mordiscando o lábio discretamente. Segurou-se a ele e levantou-se com calma, olhando-o. - É a tua vez, mas não demores antes que eu crie raízes. - Imitou-o, sorrindo.

 

- Ainda não passaste nas costas nem no peito. - Resmungou, apontando o seu peito. - Vá, não sejas preguiçosa e passa-me o creme em condições. - Pediu num tom meio abichanado.

 

Natasha voltou a morder o lábio, esforçando-se imenso para não rir à gargalhada. Com calma lá lhe colocou creme no peito e nas costas, puxou-o para mais perto da cama, subiu à mesma e espalhou o creme no seu rosto. - Já está bom, chefe?

 

- Está melhor, mas não está perfeito. - Avisou num tom meio avaliador, agarrando assim no frasco de creme. - Vira-te lá de costas. - Pediu, pronto para a borrifar com protetor solar.

 

- Peço desculpa, chefe. - Desculpou-se, virando-se logo e esperou que ele começasse a fazer algo. Podia estar em cima da cama, mas isso não ia ser grande problema para ele. Tash levou uma das mãos à sua barriga, acariciando-a enquanto esperava. Bill passou-lhe creme por todo o corpo, dando-lhe especial atenção à barriga, onde se perdia em beijos e caricias na mesma. Estava tão radiante com o facto de ir ser pai, que não conseguia esconder aquela felicidade por nada!

 

- Adoro quando dás miminhos à nossa bebé. - Murmurou, com aquele seu sorriso extremamente carinhoso e contagiante. Tash pegou nas mãos de Bill e levou-as novamente à sua barriga, fechando os olhos por instantes enquanto ele a acariciava. - Sabe bem, amor. Acho que a bebé adora. - Sussurrou, sorridente.

 

- Ainda não a consegues sentir, mas quando isso acontecer, vais ver como ela vai andar doida sempre que eu falar com ela e te fizer festinhas. - Disse sorridente, beijando o ombro da namorada de forma demorada.

 

- Estou tão ansiosa para que isso aconteça. Estou tão feliz, amor. - Sussurrou, agarrando no rosto do namorado, beijando-o uma e outra vez de forma intensa, apaixonada e carinhosa. - Leva-me para a piscina. - Pediu, subindo para o colo dele.

 

- Olha ela, exigente. - Brincou, pegando nela ao colo e caminhando para o exterior da habitação. - Amo-te sabias?

 

- Sei, meu amor. Mas adoro ouvir-te dizê-lo. - Informou, beijando-lhe várias vezes o pescoço enquanto ele a levava até à piscina. Sentiu ali algo mais alegre e arrebitado, mas não comentou. - Eu também te amo. Muito amor, muito. - Sussurrou-lhe, beijando-lhe os lábios quando pararam de andar.

 

- Ainda bem que amas, agora vais ficar aqui à sombra. Não abuses! - Informou, deitando-a sobre a espreguiçadeira mais à sombra que tinham. - Queres beber algo? - Procurou saber, olhando-a atento.

 

- Não amor, eu não tenho sede. - Respondeu de imediato, acomodando-se na espreguiçadeira. - Vais nadar? - Perguntou com a certa curiosidade, observando-o com atenção.

 

- Não, vou buscar umas pastas e trabalhar um bocado aqui. - Respondeu, ajeitando o seu cabelo com a ponta dos dedos. - Tenho uns relatórios para fazer. - Concluiu.

 

- Oh... está bem, amor. - Natasha sorriu-lhe e remexeu-se até arranjar uma posição mais confortável para si. Fechou os olhos e deixou-se levar pelo sossegado e pelo cansaço, adormecendo rapidamente. Bill sorriu, indo buscar as suas coisas à sala e regressando para perto da namorada. Deixou-a dormir, sempre atento se o sol a iria afetar ou não. Ao fim de meia hora, Tash começou a remexer-se na espreguiçadeira enquanto dormia. Suspirava discretamente, roçando as pernas uma na outra. - Bill... - Gemeu baixinho, passando uma mão pelo seu corpo da forma mais delicada de todas. Ficou assim durante breves minutos, acordando depois subitamente. Sentou-se de imediato e respirou fundo, levando a mão ao peito.

 

Bill olhava-a com uma mão na testa, achando piada ao facto de até a dormir ela andar extremamente excitada e ansiosa por ele. - Bill ou Billy? - Gozou de forma divertida, olhando-a.

 

Natasha olhou o namorado, completamente confusa com aquela pergunta. - O quê? Bill ou Billy? Não percebi. - Ela respirou fundo e levantou-se, caminhando até ao namorado. - Acho que vou nadar um pouco, está muito calor.

 

- Estás é toda excitada. - Riu-se divertido, dando-lhe uma palmada no rabo. - Vai lá. - Sorriu-lhe, fazendo depois beiço de beijo para ela o beijar.

 

- Oh... Eu falei, não foi? - Perguntou, completamente envergonhada. - Desculpa. - Murmurou perto dos lábios dele, beijando-o com carinho. Depois disso correu até à beira da piscina e mergulhou, nadando um pouco por ali até voltar para a beira, ficando agarrada à mesma enquanto olhava o namorado.

 

- Está boa a água? - Questionou, aproximando-se dela com cuidado. - Amor que tal se comprássemos uma casa no Havai para passar umas férias? - Sugeriu, sentando-se à beira da piscina.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00
editado por Daniela C. a 21/8/17 às 03:05


1 comentário

Imagem de perfil

De twilight_pr a 01.11.2017 às 18:42

Eles são mesmo mimosos! Adoro-os!
Sinceramente acho que a Agnes vai adorar tudo o que tenha sido feito, entendo também que a Tash esteja cansada porque preparar tudo durante duas semanas seguidas não é fácil portanto, entendo que esteja cansada. Aposto que ela vai ficar deslumbrada com o casamento *-* can't wait!


Beijinhos <3

Comentar post



Autoras

Daniela Costa

O meu nome é Daniela, tenho 21 anos e sou de Almada. Trabalho actualmente no STARBUCKS mas sonho ser Comissária de Bordo. Amo escrever, ver Vlogs e não sou mesmo nada adepta de séries. Tenho uma panca por maquilhagem e claro, viajar.


PERSONAL BLOG

Nessie Santos

Chamo-me Vanessa, mas já há alguns anos que me tratam por Nessie (tal como prefiro). Outras pessoas podem conhecer-me como Ivy Hurst, que é uma espécie de heterónimo, ou até o nome do meu ego. Tenho 22 anos, adoro escrever como é óbvio (mais do que ler), adoro videojogos, assim como filmes e séries.


PERSONAL BLOG


Currently Posting

No Control

Informações

Quando tudo parecia quase perfeito, os fantasmas do passado voltam a surgir. Natasha vê-se encurralada com um passado capaz de arruinar o seu futuro e determinado a destruir os que ama. Será capaz de controlar tudo o que a rodeia?


Currently Writing

Lost In You



Playlist


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.