Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




No Control || 14

por ivy hurst, em 08.11.17

 

14.png

 

------------------------------------------------------------------------

 

 

A rapariga aproveitou a viagem para se deixar relaxar, acariciando o cão de vez em quando. Assim que chegaram à clínica, Tash olhou o namorado. - O menino fica aqui ou vem connosco? - Perguntou enquanto se preparava para sair.

 

- Vem, claro. Está muito calor no carro! - Respondeu, abrindo a porta e saindo do automóvel. - Vou abrir a grade, trá-lo? - Olhou-a, retirando do bolso das calças, as chaves com o comando das grades que protegiam a clínica.

 

- Sim amor, claro. - Em menos de nada, já estavam todos do outro lado das grades. Natasha saiu do carro e trancou o mesmo, seguindo o namorado pela clínica. Só pousou o menino de ambos quando chegaram à divisão onde ficariam durante umas horas. - Estou tão ansiosa. - Comentou, vendo o namorado a preparar as coisas.

 

- Deita-te aqui na maca. - Pediu, agarrando no boião de gel ainda por abrir. - Vamos fazer a 4D também. Olha que isto de seres mulher de um obstetra tem os seus a favor, não pagas as 4D que te custam os olhos da cara. - Riu-se divertido, esperando que ela se deitasse.

 

Tash desatou a rir e deitou-se com cuidado, levantando a t-shirt. - Não é só para mim, é para o pai também. - Murmurou, sorrindo ao ver o namorado bastante alegre e ansioso.

 

- Eu sei, eu sei. - Riu, espalhando um bocado de gel pela barriga da namorada e ajeitando-se depois no banco. Agarrou num dos transdutores e começou a passar o mesmo pela barriga dela. - Que categoria, até dá gosto mexer nesta máquina... - Comentou atento ao visor, enquanto mexia nos botões. - Está a dormir, que linda. Sais mesmo ao teu paizinho! - Riu-se, fazendo um pouco de pressão na barriga da namorada para ver se conseguia acordar a pequena.

 

Natasha olhava apenas para o namorado em vez de olhar para o visor. Só de ouvir o namorado a falar já sentia toda aquela emoção e tinha a certeza que quando visse seria pior. Porém, não aguentou aquela curiosidade toda e acabou por olhar, levando uma das mãos a tapar a boca. - Oh! - Exclamou baixinho, olhando Bill com o maior dos sorrisos.

 

- Acho que já acordou, está a mexer-se. - Apontou o visor, movendo o transdutor devagar pela barriga dela. - Já tem pernas, pés, braços, olhos, boca, nariz...tem tudo! - Tranquilizou, começando a fazer algumas medições.

 

A loira estava completamente feliz e não era capaz de falar naquele momento. Estava demasiado emocionada e por muito que se esforçasse, começou a chorar silenciosamente. Limpava as lágrimas à pressa, mas havia sempre outras que substituíam as antigas. - Ela está bem? - Perguntou enquanto o namorado estava ocupado com o seu trabalho.

 

- Sim, está ótima. Tem cerca de três centímetros e meio, é grande! - Avisou numa gargalhada - Estás com 10 semanas e três dias, por isso é ótimo. - Continuou, mostrando-lhe a página de todas as estatísticas. - Vamos ouvir o coração? - Olhou-a com um enorme sorriso.

 

- Vamos. - Respondeu de imediato, bastante entusiasmada. Se já sorria ao ver a sua bebé num monitor, então quando ouviu aquele pequeno coração acelerado sorriu ainda mais. Olhava o namorado sem esconder a sua felicidade, orgulho e gratidão. - A nossa menina... - Sussurrou, desatando a chorar. Agora parecia-lhe demasiado real, mais do que antes.

 

- Oh, vá lá. - Resmungou também ele emocionado, limpando as suas lágrimas o mais rápido que conseguiu. - É a nossa menina sim senhor. - Riu, beijando-a com carinho e voltando depois as suas atenções para o ecrã. - Está com 176bpm, é ótimo. - Sorriu orgulhoso, ampliando um pouco mais a imagem. - Olha aqui uma perna, consegues perceber? Aqui a perna e o pezinho... - Apontou entusiasmado.

 

- Oh, pois é! Tão pequenino o pézinho dela. Oh meu deus, tão pequenina. - Comentou com o namorado para lá de contente. - Parece tão real agora. Agora que já vimos e ouvimos a nossa bebé, é mais real que nunca... Vamos ser mesmo pais! - Comentou entusiasmada, incapaz de parar de sorrir. - Oh, estou tão feliz... - Deixou escapar, limpando as últimas lágrimas quando finalmente se acalmou.

 

- Também eu, não quero parar de a ver... - Sorriu orgulhoso, experimentando todos os ângulos até encontrar uma onde se conseguia ver perfeitamente os movimentos do pequeno rebento. - Não a sentes? Ela está a mexer-se bastante, parece uma enguia, olha aqui. - Apontou, rindo-se divertido com os movimentos da bebé.

 

- Não, por acaso n... Ah! - Arregalou os olhos, elevando a cabeça para observar a barriga com toda a atenção. - Eu acho que senti qualquer coisa. - Murmurou ainda em choque, mas no bom sentido. Olhou novamente para o monitor, sorrindo ao vê-la tão irrequieta. - Eu tenho a sensação que senti qualquer coisa de vez em quando, mas é muito ligeiro, não sei bem... - Tentou explicar, olhando o namorado.

 

- Parece assim cócegas, meio estranho não é? - Sorriu, passando uma mão pela barriga dela. - É isso, agora deves só sentir essas coisas, mas por volta das 12 semanas deverás sentir mesmo ela a pontapear e tudo o que vês aqui, sentes. - Explicou com um enorme sorriso no rosto, passando a máquina para 4D. - Em 4D vês melhor, consegues ver que ela já tem dedinhos delineados e assim... - Mostrou.

 

- Sim, é muito esquisito. - Comentou, rindo baixinho. Ficou atenta ao que o namorado dizia, observando depois a sua bebé de uma maneira completamente diferente. - Aww! Coisa pequenina e lindinha da mãe... - Sussurrou, olhando fixamente para o monitor. Mãe. Era uma palavra que Natasha não dizia muito, mas ali saiu-lhe com todo o amor e carinho.

 

- Ela está perfeita meu amor, está a crescer muito e é grande. Vai ser como eu! - Gracejou com orgulho, desligando a máquina depois de retirar todas as fotografias. - Vamos limpar essa barriga. - Pediu, retirando as suas luvas e limpando a barriga dela com todo o cuidado, sempre de sorriso desenhado no rosto.

 

Ver o namorado tão feliz só a fazia sentir-se ainda melhor. Ela levou as mãos às do namorado, acariciando-as quando ele acabou de lhe limpar a barriguinha. - Obrigada, amor. - Murmurou, sentando-se na maca pouco depois com a ajuda dele. Puxou-o para si quando já estava sentada na beira e beijou-o apaixonadamente.

 

- Obrigado eu por me fazeres o homem mais feliz do mundo... - Murmurou, beijando-a com dedicação enquanto lhe afastava os cabelos da cara e dos ombros. - Amo-te tanto... - Sussurrou-lhe, roçando o nariz no de Natasha.

 

- E tu fazes de mim a mulher mais feliz e sortuda. - Murmurou, correspondendo ao beijo de imediato. - Também te amo. Amo-te tanto, tanto… - Sussurrou quando os seus lábios estavam outra vez pertíssimo dos dele, beijando-o uma e outra vez.

 

Bill sorriu, segurando na namorada pela cintura e agarrando nela ao colo de repente. Sem demoras, beijou-a com um sorriso matreiro e caminhou às cegas para o sofá que tinha, num dos cantos do seu consultório.

 

Apesar de se agarrar a ele de imediato e corresponder aos beijos de forma igual, Tash sentia-se algo confusa. Não sabia se aquilo iria ser só mais uma curte, ou se seria algo mais. - Mor… - Sussurrou, encarando-o quando já estavam no sofá. Queria perguntar mas não queria meter a pata na poça, preferia que fosse ele a dizer-lhe como ela lhe disse assim que se sentiu pronta de novo.

 

- Shh, estou com saudades tuas... - Sussurrou-lhe ao ouvido, beijando-lhe de seguida o pescoço com beijos molhados, desenhando uma suave linha húmida por ali. - E estou bastante feliz. - Sorriu abertamente, começando a puxar para cima, a blusa de Tash.

 

- Se fizermos isto agora eu depois não vou conseguir voltar a parar e aí sim vou andar a atirar-me a ti. - Sussurrou, calando-se para soltar um breve e algo contido gemido. - Não fazes ideia do quanto eu preciso de ti, amor. - Deixou escapar, observando-o enquanto lhe puxava a blusa.

 

- Não te pedi para te conteres minha princesa. - Sorriu, removendo-lhe a blusa de forma rápida e sorrindo por a ver sem soutien. Era das coisas que mais gostava em Natasha! - Amo quando andas sem soutien sabias? Acho que sabes porque raramente os usas quando estás comigo. - Comentou divertido, beijando-lhe o peito de forma delicada.

 

- Claro que sei, meu amor. - Sorriu, fechando os olhos assim que sentiu os lábios suaves do namorado no seu peito. Andava demasiado sensível e super carente, por isso só aquele gesto fê-la gemer com agrado, relaxando o corpo ao máximo naquele sofá.

 

Bill por outro lado deliciava-se a explorar aquele seu parque de diversões, ligeiramente diferente do normal por causa da gravidez. Tinha-a deixado mil vezes mais linda do que aquilo que ela já era! - Ainda bem que sabes princesa. - Sorriu-lhe, mordiscando-lhe um mamilo devagar.

 

Natasha gemeu mais alto do que o habitual, levando uma das mãos ao cabelo do namorado. - Oh amor, isso sabe tão bem. - Comentou entre pequenos gemidos, inclinando a cabeça para trás.

 

- Sabe tão bem quanto tu... - Sorriu docemente, passando uma mão pela coxa da mais nova, de maneira a alcançar o elástico das calças dela. Com calma, começou por as descer, afastando-se ligeiramente dela para as conseguir remover na perfeição, assim como aos seus ténis.

 

A loira olhava-o enquanto ele a despia e não demorou assim tanto até ficar completamente nua no sofá do consultório de Bill. - Tira a roupa. - Pediu num tom baixo, apontando para o corpo do namorado que, na sua opinião, estava demasiado coberto. Porém, antes de ele conseguir despir algo, ela sentou-se no sofá e começou a despir-lhe as calças e boxers, depositando pequenos beijos perto do membro dele.

 

- Uh, vou cair hoje de cu. - Comentou alto, olhando para o que ela fazia e contraindo todos os seus músculos, dando-lhe assim a definição natural de todos eles. - Natasha, Natasha, cuidado com essa boca marota. - Brincou, roubado um beijo à namorada enquanto lhe atava o cabelo. Queria ver tudo!

 

Natasha retirou-lhe a roupa e o calçado por completo, puxando-o novamente para si com aquele seu sorriso um tanto carinhoso e um tanto perverso. Levou a sua língua a lamber o pénis dele calmamente, abocanhando-o depois da forma mais lenta possível, olhando o namorado. As reações dele para ela valem ouro!

 

Bill gemeu, tapando a boca e cerrando o outro punho, sem saber muito bem onde se agarrar e o que fazer. Estava demasiado excitado para dizer ou fazer o que quer que fosse! A sua leve excitação virou quase uma pedra em segundos, levando o loiro a fechar os olhos com tanto prazer. - Oh meu deus... - Murmurou.

 

A rapariga sorriu completamente feliz ao ver aquilo e começou com os movimentos calmos, aumentando a velocidade gradualmente até ele lhe agarrar pelos cabelos e afastá-la ligeiramente. - O que foi? Não queres mais, amor? - Murmurou, voltando a lamber o membro dele.

 

- Estou quase a vir-me, deixa-me foder-te a boca... - Pediu, agarrando na cabeça da namorada com força. Olhava-a com um olhar carregado de luxuria e prazer, completamente alheio ao mundo lá fora. Podia cair ali um raio, que Bill não queria saber!

 

Era raro Bill dizer uma coisa daquelas, mas foi algo que excitou a loira e não foi pouco. Contente com aquela situação, Tash sorriu ao namorado e acariciou os seios enquanto o olhava. - Estás à vontade amor, podes foder-me como quiseres. - Afirmou de forma sedutora, abrindo a sua boca para ser ele a fazê-lo como queria.

 

Bill não precisou de mais nada para prosseguir com o que pretendia. Com calma enfiou o o seu membro dentro da boca da namorada, gemendo de novo e começou com os movimentos rápidos enquanto lhe segurava na cabeça de maneira a que ela não conseguisse ter muita escapatória. Aquilo estava a saber-lhe tão bem que não conseguia controlar a sua vontade de se vir, ansiando por isso cada vez mais.

 

Tash levou as mãos às coxas do namorado, acariciando-as enquanto ele tinha aquele seu momento. Deixou que ele fizesse como queria e quando ele deu sinais de se estar a aproximar de um orgasmo, a loira começou a gemer também. Sabia que essa era uma das coisas que o excitava bastante, por isso era uma ajuda.

 

Bill cerrou os olhos assim que ouviu a namorada, deixando-se vir enquanto gemia e lhe puxava os cabelos devagar. Estava tão necessitado daquilo que a sua ejaculação era em grandes quantidades e de forma lenta.

 

- Hmm... - Murmurou assim que o namorado se veio, engolindo à medida que ele lhe enchia a boca. Natasha não se mexeu e deixou-se ficar quieta, esperando até o namorado querer retirar-se.

 

- Oh, tão bom... - Murmurou, afastando-se assim que sentiu parar. - Estava tão necessitado disto. - Comentou meio ofegante, puxando a loira para si e beijando-a com intensidade. Ainda conseguia sentir o sabor do seu sémen na boca dela!

 

- Sabes tão bem, não me importava nada que me fodesses a boca todos os dias. - Murmurou contra os lábios dele, beijando-o novamente. - Fode-me. - Pediu baixinho, levando a mão dele a passear pelo corpo dela até chegar perto do íntimo dela.

 

- Isso nem precisas de pedir muito, porque tenho intenções de o fazer. - Sorriu, levando a loira a sentar-se na sua futura secretária. Colocou os braços por baixo dos joelhos da mais nova e puxou-a então para si, penetrando-a de forma certeira e beijando-a ao mesmo tempo que o fazia.

 

Natasha gemeu bem alto, mesmo enquanto correspondia ao beijo, deixando-se ficar de olhos fechados naqueles primeiros instantes. - Oh meu deus... - Murmurou, mas voltou a gemer altíssimo logo de seguida quando o sentiu mover-se.

 

- Se te estiver a magoar diz, não te quero desconfortável. - Pediu, movendo-se na rapariga de forma lenta mas bastante certeira. Sempre focado em senti-la ao pormenor!

 

Após meros minutos, as pernas de Natasha começaram a tremelicar e ela atingiu rapidamente um pequeno orgasmo, que não a satisfez na totalidade, mas mesmo assim soube-lhe bem. Agradeceu pelo namorado ter abrandado, mas não chegou a parar na totalidade. - Podes continuar... - Sussurrou, beijando-o intensamente.

 

- Ai sua mandona. - Brincou, mordiscando-lhe o lábio inferior e continuando com as investidas, desta vez um pouco mais rápidas, mas sempre profundas e intensas. - Deixas-me louco... - Sussurrou-lhe.

 

- E tu a mim. - Murmurou entre gemidos, beijando-o várias vezes de forma bem fogosa e intensa. - Tens a noção que só vou ficar satisfeita ao fim de pelo menos cinco orgasmos? - Perguntou baixinho com um sorriso maroto, gemendo alto numa investida mais profunda. - Tinha tantas saudades de te sentir dentro de mim.

 

- Não me incomoda. Temos muito tempo ainda! - Riu-se, aumentando cada vez mais a rapidez das investidas enquanto lhe roubava por vezes beijos intensos, de forma a abafar alguns dos seus gemidos mais altos.

 

Tasha acabou por voltar a vir-se, de forma um pouco mais intensa que a fez quase gritar de prazer. Era notória a falta que o namorado lhe fazia. Andava extremamente carente e aquela sensibilidade toda enlouquecia-la. - Mais... - Pediu completamente ofegante, encarando o namorado como se lhe pedisse um enorme favor. Ela precisava imenso de todo aquele prazer.

 

Bill sorriu de forma perversa, roçado o nariz no dela enquanto chegava aos seus movimentos mais rápidos. Sem ela esperar, levou uma mão ao clítoris e moveu-o de forma rápida, sem deixar de manter o contacto entre aquele nervo e os dedos quentes dele.

 

A aflição da loira começou a ser demasiado óbvia quando ela começou a gemer sem parar, arranhando a pele do namorado com uma certa força. - Oh, sim... - Quando se sentiu perto de mais um orgasmo deixou-se levar, gritando de prazer enquanto molhava ligeiramente o namorado com um jato quente e breve. - Foda-se. - Resmungou a sorrir e ainda a gemer, sentindo o corpo algo dormente por instantes.

 

- É isto mesmo que eu quero! - Sorriu abertamente, saindo do interior dela para aliviar um pouco a pressão no íntimo dela. - Amo-te minha loirinha... - Sussurrou-lhe, antes mesmo de voltar a penetrá-la com toda a calma e cuidado.

 

- Oh amor, eu também te amo, tanto... - Sussurrou, fechando os olhos quando ele entrou novamente nela. A lentidão era bem-vinda naquele momento, visto que ela ainda não estava totalmente recuperada do último orgasmo. Enquanto Bill estava quase imóvel, Natasha acariciava o corpo do namorado, beijando-o sempre que podia.

 

- Estás bem, não estás? - Procurou certificar-se, acariciando-lhe a cara enquanto voltava com os movimentos ligeiramente mais rápidos.

 

- Sim, amor. Estou ótima! - Respondeu com o maior sorriso de todos, segurando-se a ele com alguma força assim que o sentiu a acelerar. - Quero tanto que te venhas dessa maneira intensa dentro de mim. - Confessou entre gemidos, olhando-o com um sorriso perverso.

 

- E venho, mas sabes que gosto de te satisfazer primeiro. - Sorriu, mordiscando-lhe o lábio inferior enquanto continuava a aumentar os movimentos progressivamente.

 

- Oh, já estou bem satisfeita. Agora quero é que te venhas quando eu me vier de novo. - Sorriu-lhe de igual modo, gemendo cada vez mais alto. - Oh, meu amor...

 

- Combinado minha deusa... - Sorriu-lhe, olhando-a nos olhos enquanto lhe acariciava o maxilar. - Diz-me... - Pediu, soltando um gemido intenso, com um sorriso enorme estampado no rosto.

 

- Acelera, por favor... - Murmurou de olhos fechados, enquanto se continha. - Vem-te por favor porque eu não vou conseguir aguentar muito mais tempo. - Avisou de imediato, beijando-o.

 

Bill sorriu, acatando o pedido da namorada e movendo-se da forma mais rápida que lhe apetecia e sentindo o seu auge quase a explodir. Queria aquilo há muito e por isso mesmo, não se conteve mais, vindo-se dentro dela da forma mais intensa que alguma vez ela sentira. Seria o efeito da ecografia?!

 

Aquele orgasmo fora muito intenso tanto para um como para o outro. Natasha já gritava de prazer outra vez, mas sempre que sentia o namorado a inundá-la um pouco mais, gemia mais. Ficaram alguns segundos assim, a sofrer com aquela intensidade e quando acalmaram a rapariga abraçou o namorado, beijando-o com todo o amor e carinho. Agora sim, estava satisfeita!

 

- Não tiveste aquela dor? - Procurou saber, acariciando-lhe a barriga com cuidado e beijando-lhe a cara em diversos sítios.

 

- Não amor, por acaso não... A única coisa que tive foi muito prazer. - Sussurrou feliz, observando as mãos que lhe acariciavam a barriga. - Estava mesmo a precisar disto... Ando a sentir-me tão carente. - Murmurou com um beiço adorável, sorrindo-lhe de seguida.

 

- Essa carência vai acabar. - Garantiu com um enorme sorriso, beijando-a mais uma vez. - Vamos jantar ao IN N' OUT. - Informou, olhando para ela com um sorriso que mais parecia tirado de uma criança de 5 anos.

 

- Oh, isso é tão bom de se ouvir! - Comentou toda contente, assentindo enquanto lhe acariciava as bochechas. - Está bem amor, jantamos onde tu quiseres, eu cá como qualquer coisa. Estou quase sempre com fome ou com vontade de comer algo.

 

- Tu não vais comer qualquer coisa, vais jantar também. - Resmungou de imediato, apontando-lhe o dedo como sinal de aviso. Assim que a viu assentir, vestiu-se com calma e foi arrumar tudo o que tinha deixado desarrumado.

 

- Oh mor não era isso que eu queria dizer. Eu por mim como em qualquer lado e como seja o que for, percebes? Ando sempre com fome e com as vontades todas. - Explicou, vestindo-se e calçando-se com cuidado.

 

- Percebi. - Resmungou, agarrando nos seus pertences e colocando tudo ao bolso. - Pumba, anda! - Chamou-o, esperando que ele se levantasse de onde estava a dormir, para se irem embora. - Seu gordo. - Riu-se divertido.

 

Natasha gargalhou por ver o cão com tanta preguiça e acabou por ir ter com ele. - Anda bebé, vamos embora. - Murmurou num tom querido, tentando pegar nele ao colo, mas teve de o largar.

 

- Chega de pegares nele ao colo, ele está muito pesado para ti. - Disse Bill, pegando no pequeno cão. - Já é um bebé demasiado grande. - Riu-se.

 

Tash suspirou e levantou-se com calma, aproximando-se depois de Bill. - Pois, pelos vistos... Desculpa bebé. - Murmurou ao Pumba, dando-lhe um beijinho. - Vamos amor? Quero comer. - Resmungou, sorrindo-lhe.

 

- Vamos, também estou a ficar esfomeado. - Concordou, fechando a clínica e caminhando com ela para o carro. - Que horas são, mesmo? - Procurou saber.

 

- São... - Ela arregalou os olhos quando viu as horas e olhou para o namorado. - São sete horas, praticamente... Quanto tempo estivemos aqui na clínica?!

 

- Umas 3 horas. - Deduziu, olhando para ela com um ar divertido. - Quando as coisas são boas, o tempo passa a correr. - Comentou, entrando no carro depois de colocar Pumba nos bancos traseiros.

 

- Tu não és uma coisa boa, és uma coisa fantástica. - Brincou, entrando no carro de seguida. Colocou o cinto com cuidado e passou uma das mãos pela barriga, pousando a outra na coxa de Bill quando ele entrou no carro. - Bill?

 

- Sim? - Olhou-a, fechando a porta do automóvel e ligando o motor. - Está tudo bem? Precisas de algo? - Procurou saber.

 

Tash aproximou-se mais do namorado e beijou-o delicadamente. - Estou com uma dorzinha, parece tipo uma cólica. - Informou, acariciando a barriga depois de encontrar uma posição confortável no banco do carro.

 

- Mas não passa, continua a doer? - Questionou alarmado, olhando-a com um semblante sempre alerta. - Estás a sentir onde a dor? - Procurou saber.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00
editado por Daniela C. a 22/8/17 às 01:15


1 comentário

Imagem de perfil

De twilight_pr a 08.11.2017 às 22:37

Espero que a dor não seja nada de grave! Ainda bem que ela o avisou logo, ainda bem mesmo! >< ai mãe espero que tudo fique bem!
Estou muito contente por eles os dois especialmente porque mais um obstáculo foi ultrapassado depois de tudo o que tinha acontecido entre eles.
Eu própria fiquei bastante emocionada com o momento de eles verem a menina deles, socorro tão queridos que eu realmente nem consigo aguentar!
Estou a gostar bastante meninas!


Beijinhos <3

Comentar post



Autoras

Daniela Costa

O meu nome é Daniela, tenho 21 anos e sou de Almada. Trabalho actualmente no STARBUCKS mas sonho ser Comissária de Bordo. Amo escrever, ver Vlogs e não sou mesmo nada adepta de séries. Tenho uma panca por maquilhagem e claro, viajar.


PERSONAL BLOG

Nessie Santos

Chamo-me Vanessa, mas já há alguns anos que me tratam por Nessie (tal como prefiro). Outras pessoas podem conhecer-me como Ivy Hurst, que é uma espécie de heterónimo, ou até o nome do meu ego. Tenho 22 anos, adoro escrever como é óbvio (mais do que ler), adoro videojogos, assim como filmes e séries.


PERSONAL BLOG


Currently Posting

No Control

Informações

Quando tudo parecia quase perfeito, os fantasmas do passado voltam a surgir. Natasha vê-se encurralada com um passado capaz de arruinar o seu futuro e determinado a destruir os que ama. Será capaz de controlar tudo o que a rodeia?


Currently Writing

Lost In You



Playlist


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.