Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




No Control || 21

por ivy hurst, em 27.12.17

21.png

 

------------------------------------------------------------------------

 

- Ouve... - Bill suspirou, sentando-se à frente dela. - Não comeces Natasha...tens que pensar em estar calma, respirar, meditar, silêncio, paz... - Começou por dizer, olhando-a nos olhos. - Se começas com essas merdas, vais chorar, vais enervar-te, vais perder o controlo de tudo. - Relembrou, tentando que a rapariga se lembrasse de tudo o que lhe foi ensinado nas aulas de preparação. - Vou chamar a Agnes para meditar contigo. Diz-me como a queres ter, preciso de ligar para a clínica e organizar as coisas para te poder acompanhar... - Pediu.

 

- Eu sei amor, desculpa... Quero tê-la deitada, pode ser? - Ela esboçou um pequeno sorriso fofo, tentando relaxar e acalmar apesar de tudo o que estava a sentir e dos medos que tinha. - A Agnes está com o bebé amor, deixa-a estar... - Encolheu os ombros, pousando as mãos na barriga.

 

- Deitada? - Bill suspirou, não querendo contornar as decisões dela, mas achando que não era a melhor posição para ter uma criança. - Há posições melhores, deitada vai ser mais difícil fazer força. Estás, com uma barriga grande, bastante inchada e não vais ter a mesma força. Eu não te vou poder ajudar assim, uma vez que vou ter que estar à tua frente. - Explicou. - Mas se quiseres eu aceito...

 

- Então escolhe tu uma posição amor, eu só quero mesmo que corra tudo bem, mais nada. Escolhe a que achares melhor... Pode ser qualquer uma menos aquela coisa da água! - Apontou-lhe o dedo, gemendo ao ter outra contração.

 

- Ok, talvez de cócoras, assim podes agarrar nela e eu posso estar atrás de ti em contacto contigo. - Explicou, vendo Agnes aparecer na sala. - Ajuda-a a meditar, por favor. - Pediu.

 

- Vim para isso mesmo, vai lá organizar as coisas. - Sorriu, aproximando-se de Tash e ajoelhando-se atras dela para a ajudar com algumas das massagens nas costas, eu iriam ajudar imenso nas dores.

 

- Ai... Obrigado por me estares a ajudar, Ness. - Agradeceu com um sorriso carinhoso, meditando com ela. Enquanto Bill estava a tratar de tudo, Tash fazia todos os pequenos exercícios dados pela amiga e também pelo loiro que a ia espreitar de vez em quando. Depois de pouco mais de hora e meia, as águas rebentaram e ela acabou por gemer mais alto. Antes de conseguir chamar Bill, que naquele momento por acaso não estava ali, Pumba foi a correr ter com o dono, ladrou-lhe e mordeu-lhe as calça, tentando puxá-lo. O pequeno cão até parecia que estava treinado para aquilo.

 

- Estou a ir. - Respondeu, afastando o pequeno cão e seguindo depois para a sala. - Rebentaram as águas? - Questionou calmamente, aproximando-se da namorada.

 

- Sim, foi mesmo agora. - Respondeu da forma mais calma que conseguiu, segurando-se a Agnes que estava mesmo ao seu lado. - Não saias mais daqui por favor... - Pedinchou ao loiro, agarrando-se à barriga.

 

- Não vou sair. Vamos preparar-nos para irmos ok? Queres ir tomar um duche? Já preparaste a roupa que queres? - Questionou de forma pacífica.

 

- E eu tenho tempo para isso tudo? - Perguntou um pouco confusa, olhando depois para o chão. - A roupa tenho no quarto já pronta, se achares que tenho tempo para banho posso mudar-me...

 

- Tens, tomas um duche rápido. - Explicou, agarrando nela para a ajudar a levantar da bola. - Vá, vamos mexer essas pernas gordas. - Sorriu enquanto a olhava.

 

- São gordas mas tu até gostas delas assim! - Resmungou, gemendo quando se levantou. Apoiou-se ao namorado e seguiram para o quarto. Natasha apontou logo para um cadeirão onde já estava a roupa e depois respirou fundo, tentando caminhar sozinha até à casa de banho. - Só o meu marido para me fazer andar numa altura destas. - Resmungou de novo, apoiando-se ao lavatório. Voltou a gemer quando teve outra contração e em seguida respirou fundo como lhe tinha sido ensinado.

 

- Depois vais agradecer-me. - Assegurou, ligando a água do duche e ajudando-a depois a entrar para lá. - Vá, rapidinho. - Pediu.

 

- Eu sou uma tartaruguinha, não consigo ser tão rápida quanto isso. - Resmungou num tom fofo e lá entrou. O duche até foi rápido, uma vez que Bill estava sempre a ajudá-la. - Ajudas-me a vestir a roupa, por favor? - Pedinchou quando já estava cá fora, a apoiar-se com uma das mãos ao lavatório. - É isso que está no cadeirão, tenho de estar bonita para a chegada dela!

 

- Anda para o quarto então, não vais ficar aí a vestir-te na casa de banho. - Riu divertido, agarrando na roupa que ela tinha dividido e colocando sobre a cama. - Senta-te aqui. - Pediu.

 

- Qual era o problema de me vestir na casa de banho? - Riu baixinho, caminhando com cuidado até ao namorado, sentando-se como ele pedira. - Tu estás pronto? - Perguntou com um sorriso carinhoso, passando as mãos pela barriga.

 

- Porque tens que estar confortável. Há pouco estavas reclamar que já não te aguentavas em pé e agora queres vestir-te em pé, na casa de banho. Ora! - Brincou, ajudando-a a ajeitar o vestido. - Estou mais do que pronto. - Riu.

 

- Oh, sim, mas só quero vestir-me o mais depressa possível porque acho que ela não vai demorar muito mais a sair... - Resmungou com uma careta, gemendo alto quando já estava nos braços de Bill. - Agora a sério acho que devíamos ir... Senão não vou conseguir chegar lá a tempo.

 

- E vamos embora. Relaxa não penses demasiado nisso! - Pediu, agarrando nas malas dela e colocando-as no ombro. - Vamos? - Procurou saber.

 

- Eu não estou a pensar, pura e simplesmente me está a doer cada vez mais. - Explicou, assentindo de seguida. - Sim, por favor...

 

- Eu sei que dói, já experimentei as dores de um parto e não desejo isso a ninguém. - Afirmou divertido, ajudando-a a descer as escadas com cuidado. - Vocês vêm também? - Questionou ao casal que se enroscava no sofá.

 

- Então se experimentaste e como és doutor sabes perfeitamente que está na hora de eu ir, antes que acabe por ter a nossa filha no meio da rua. - Riu baixinho, segurando-se a ele com força enquanto descia, soltando por vezes alguns gemidos de dor.

 

- Nossa senhora, eu sinceramente não sei como é que vocês aguentam! - Tom levantou-se com cuidado, com o filho nos braços e observou Natasha com calma. - Queres ir andando com eles que eu já lá vou ter, amor?

 

- Sim posso ir, depois mando mensagem quando estiver a Rosie cá fora. - Sorriu, beijando a testa do seu pequeno rebento.

 

- Então vamos lá antes que ela me mate e eu a ela por não confiar em mim. - Brincou Bill, apontando a namorada.

 

Tom beijou a noiva rapidamente e aconchegou melhor o bebé nos seus braços. - Vão lá, antes que a criança nasça aqui! - Brincou, voltando a sentar-se no sofá depois de ir fechar a porta.

 

Natasha foi para a clínica a pé e tanto andava mais depressa como mais devagar. À medida que iam caminhando ela tinha cada vez mais dores e estava a ficar tudo extremamente intenso. Assim que chegou ao quarto da clínica já ela estava com cara de quem ia acabar por começar a fazer força mais tarde ou mais cedo. - Não aguento mais... - Resmungou, começando a levantar o vestido à pressa.

 

- Vamos para ali. - Apontou um género de banco onde ela se poderia apoiar, na posição de cócoras. - Chega-me luvas. - Pediu o mais velho a uma das enfermeiras que os acompanhava. - Deixa-me só fazer-te o toque para confirmar que estás pronta. - Informou Bill, ajoelhando-se ao lado da mulher que o fizera minutos antes com a ajuda de Agnes.

 

A loira fechou os olhos e continuou a respirar da forma mais calma que conseguia, embora já estivesse algo ofegante. - Já está? Posso? Oh meu deus não posso conter-me mais Bill! - Resmungou, gemendo alto. - Tenho de fazer força, preciso de fazer força. - Avisou num tom aflito.

 

- Faz força, já lhe toquei na cabeça. - Riu-se, acariciando as costas da namorada.

 

- Força princesa, vem aí a tua menina. - Sorriu Agnes, sentando-se à frente dela.

 

Natasha segurou-se onde pôde e fez toda a força que conseguia nos momentos certos, respirando nos pequenos intervalos que tinha. Ao início foi complicado, mas mesmo assim correu tudo bem e em menos de cinco minutos já estava a pequena Rosie cá fora. A loira agarrava na sua princesa com todo o cuidado, maravilhada com o que via. - Oh meu Deus... É a nossa menina... - Murmurou, cansada e emocionada. A enfermeira tinha desaparecido tão depressa que a loira só deu por ela quando regressou com mais gente e começaram a pedir a Agnes que saísse. - Não, deixem-na ficar... - Resmungou, deixando que segurassem na sua bebé. - Amor, não me sinto muito bem. - Sussurrou num tom fraco, reparando que um outro médico já ali estava e fez um sinal qualquer a Bill.

 

Agnes acabou mesmo por sair quando o loiro lhe lançou um olhar específico. Pegou na sua namorada ao colo com cuidado e de forma apressada deitou-a na cama que aquele quarto dispunha. - Conta até 10 comigo... - Pediu o mais velho, enchendo uma seringa enquanto a enfermeira lhe inseria o cateter. - 1... 2... - Contou juntamente com ela, vendo-a ficar anestesiada rapidamente. Era algo leve, que a iria manter a dormir o tempo suficiente para tratarem dela sem o seu psicológico entrar em atrofio com o seu corpo. Quando Natasha punha na cabeça que algo corria mal, já não havia volta a dar e de certo modo isso chateava imenso Bill.

 

Numa situação normal, assim que Natasha visse alguém de seringa na mão ficava logo alerta e nervosa. Mas naquele instante sentia-se tão atarantada com as tonturas que tinha e fraca que nem disse nem fez absolutamente nada. Contou com o namorado quando este lhe pediu, mas não conseguiu chegar a dizer o 3 por ter adormecido. Apesar de tudo isso, Natasha até estava calma e só assim estava por estar sempre nas mãos do namorado em quem confia.

 

Ao receber a mensagem de Agnes, Tom colocou o bebé no carrinho, certificou-se que tinha tudo o que era necessário e seguiu para a clínica. Ao chegar à clinica procurou por Agnes, encontrando-a rápidamente e beijando-a. - Então, o que se passou?

 

- O que é que estás a fazer? - Gritou Bill para a enfermeira assim que a viu preparar-se para sair da sala. - Já te mandei ir embora? - Rosnou, calçando umas novas luvas para tratar de Natasha. Acanhada a enfermeira voltou a aproximar-se do loiro, ajudando-o com tudo o que ele precisava.

 

- Ela estava cansada. O que o teu irmão já esperava, por causa da má nutrição e assim. Só espero que ela tenha aquele instinto com a filha, ela teve muito pouco tempo com ela... - Suspirou, espreitando Wolf que dormia ainda pacificamente.

 

Tom assustou-se quando ouviu dali o irmão aos gritos e acabou por suspirar. - Oh, mas que grande merda. Só espero que corra tudo bem, mesmo. - Murmurou, sentando-se ao lado de Agnes, sorrindo ao ver o pequeno Wolf com aquele ar tão pacífico e angelical. - É tão perfeito o nosso filho... E a prima também é, não é Wolfie? - Perguntou baixinho, ajeitando-lhe a pequena manta. - Conseguiste ver a Rosie?

 

- Consegui, é tão loirinha também. - Sorriu abertamente, amarrando o seu cabelo. - Vai tudo correr bem, ela agora está sedada, vai conseguir descansar, para depois debruçar-se sobre a amamentação e essas coisas. - Disse de forma positiva, abraçando o noivo pela cintura. - E nós daqui a uns meses temos que pensar já no próximo. - Sorriu matreira.

 

- Concordo... Vai ser uma menina, vais ver. Uma menina jeitosa como a mãe, até vai fazer os moços suspirarem quando for mais velha. - Brincou, abraçando-a com carinho. - Obrigada por me fazeres tão feliz. - Sussurrou para que ela fosse a única a ouvir e em seguida beijou-a apaixonada e intensamente. - Está ali outra enfermeira à porta. - Confidenciou assim que viu, reparando que aquela apenas abriu um pouco a porta, contou algo e depois foi-se embora. - Nem sei se devo ficar aqui ou sei lá... - Suspirou, vendo depois o irmão a sair também.

 

- O teu irmão já deve vir aqui, vamos esperar para não o enervar. - Sugeriu, olhando-o nos olhos. - E tu é que me fazes a mulher mais feliz do mundo, agora só quero é ter bebés, estou tão apaixonada pelo nosso filho e pela gravidez. - Guinchou entusiasmada.

 

- Podemos ter quantos tu quiseres. Eu sou ótimo a fazer bebés, excelente até! A prova está ali. - Apontou para o filho deles, rindo baixinho. Levantou-se de imediato quando viu o irmão a aproximar-se e abraçou-o. - Parabéns, bro. - Felicitou primeiro, com um sorriso doce. - Como está a Tash?

 

- Obrigado! - Respondeu com um sorriso aliviado. - Ela está a dormir, a descansar. - Informou, olhando para as horas e passando depois uma mão pela cara. - Já estava a prever que fosse assim, eu bem tentei que isto corresse bem, mas enfim...

 

- Bem, nunca conseguimos controlar tudo... Mas pronto, ela está a descansar e se está estável e tudo isso é o que interessa! O resto vai correr tudo bem, vais ver! - Sorriu com um ar confiante, passando-lhe a mão pelas costas. - Então e a tua menina?! Onde anda a minha sobrinha?

 

- Está lá dentro, querem vir? - Questionou, apontando para a porta do quarto. - Vou dar-lhe o biberão uma vez que a Natasha está ainda adormecida, aproveito e vejo se me ligo mais com ela. Só espero que a Natasha não tenha nenhum tipo de negação... - Suspirou.

 

- Claro que sim! Vamos ver a princesa mais nova da família, estou ansioso por conhecê-la! Ela está no quarto com a Tash, é? - Perguntou meio confuso por estar sempre a olhar para Wolf. - Oh, isso não vai acontecer. Vamos pensar positivo, sim?

 

- Sim está ali, já está no berço e tudo mais. - Informou, olhando para o irmão. - Não largas o miúdo han. Não tarda vem outro! - Brincou.

 

- Por acaso estamos já a pensar nisso cunhado. - Informou Agnes, rindo-se enquanto o fazia.

 

- Claro que não largo! Duvido que tu agora vás conseguir largar a Rosie. - Riu baixinho, agarrando-se logo ao carro. - Vamos lá então ver a pequerrucha. E sim... Assim que pudermos, vamos fazer mais bebés. - Comentou de forma divertida, seguindo depois o irmão e a namorada até ao quarto onde estava a cunhada e a sobrinha. - Oh... Realmente, é mesmo loirinha!

 

- Claro que não largo, nem há discussão sobre isso. - Riu, agarrando na sua pequena com toda a prática do mundo. - É tão linda, olha lá. Tem uma carinha de safada! - Comentou, beijando a testa da pequena. - Queres pegar?

 

- Quero pois! - Afirmou todo entusiasmado, pegando na sua sobrinha com todo o cuidado do mundo. - Tens cara de tarada, vê-se logo que és filha do meu irmão... - Abanou a cabeça, rindo baixinho. Tom aproximou-se de Agnes para que ela também pudesse ver bem a sua sobrinha. - Olha, esta é a tia Ness, que também é tarada e adora o tio Tom... Que sou eu! - Ele falava baixinho, fazendo caretas estranhas que deixavam os outros à beira de riso.

 

- O tio Tom que é um pateta. - Gozou Bill, despindo a sua camisola e preparando o leite para dar à pequena. - Não atrofies já a minha filha. - Riu.

 

- Ah, atrofiado és tu! - Resmungou na brincadeira, sorrindo depois à bebé. - Eu não percebo muito disto, mas o teu pai já está ali a preparar-se todo para te dar leite, por isso... Deves estar com fome! - Riu baixinho, olhando depois para Natasha. - Ela está a acordar? - Questionou baixinho ao irmão, vendo-a a mexer-se. - Pensei que ia ficar a dormir mais tempo.

 

- Não, foi leve a anestesia. Ela vai acordar toda atrofiada... - Respondeu, pegando de novo na filha e começando a dar-lhe o biberão. - Não falem muito para ela, para não ficar confusa. - Avisou com calma.

 

- Ah, faz sentido então. Não te preocupes, nós vamos ficar aqui quietinhos a ver o senhor Bill Kaulitz a dar o biberão à filha. - Riu baixinho, espreitando depois para dentro do carrinho, sorrindo docemente ao ver que o filho ainda dormia.

 

Natasha foi acordando aos poucos, pestanejando lentamente. - Rosie? - Chamou de imediato, ainda de olhos fechados, respirando de forma calma. A loira acabou por finalmente abrir melhor os olhos, olhando em redor até encontrar alguém. Sorriu ao ver os cunhados, mas quando viu Bill sorriu ainda mais. - Eu é que tenho de alimentá-la. - Resmungou num tom carinhoso, observando-os.

 

- Quando estiveres bem dás-lhe de mamar. - Bill respondeu com um sorriso carinhoso, acariciando a mão da namorada. - Olha ela, que linda! - Guinchou completamente babado.

 

- Está bem, combinado. Senta-te aqui para eu poder vê-la melhor! - Pedinchou, tentando sentar-se para ver melhor. - Desculpa por me ter ido abaixo, eu dei o meu melhor... - Suspirou, acariciando também a mão dele com cuidado.

 

- Eu sei, não importa agora. Foste excelente! - Tranquilizou, sentando-se perto dela para que conseguisse ver a pequena a mamar. - Descansa, vais precisar de forças sim? - Acariciou-lhe o cabelo.

 

- Eu já me sinto melhor, já só quero pegar nela e nunca mais largá-la. - Murmurou toda entusiasmada, sorrindo imenso quando finalmente a conseguiu ver melhor. - Oh meu deus... Tão pequenina e perfeitinha. - Sussurrou, encostando-se ao namorado.

 

- Pequenina? Oh amor, ela é bem grande. - Riu, esticando as perninhas de Rosie para que ela visse o quão grande era.

 

Natasha riu-se quando ele esticou as pernas da filha e ficou simplesmente a admirá-la durante uns segundos. - Esta tudo bem com ela, não está? - Questionou preocupada, tocando com a ponta do dedo na bochecha da pequena Rosie. - Cheguem-se aqui, não mordo! - Resmungou ao casal, mostrando um beiço fofo.

 

- Está, ela está ótima. - Sorriu orgulhoso, limpando a boca da filha assim que acabou de mamar. - Queres pegar nela?

 

- Ninguém disse isso, só estão a ter o vosso momento. - Riu Agnes, chegando-se para perto dela com Wolf no colo, já de olho aberto e bastante calmo como sempre.

 

- Claro que quero! - Respondeu de imediato, segurando em Rosie com todo o cuidado. Podia não ter a perícia de Bill, mas tinha o instinto de mãe em altas. - Oh... Olhem para ela, tão lindinha... - Murmurou, completamente feliz da vida. - Olá meu amor, é a mamã... - Sussurrou, beijando-lhe as bochechas rechonchudas com todo o amor e carinho. - Aquele é o papá, e aqueles ali são os padrinhos e o primo. - Explicou, beijando-a uma e outra vez. Natasha não conseguia parar de sorrir por nada! - Quanto é que ela pesa? E mede?

 

- Mede 51cm e pesa 4,051kg. - Respondeu babado, tirando fotos à namorada, completamente vidrado em ambas.

 

- Mesmo assim eu tive que parir uma baleia de quatro quilos e meio. - Comentou Agnes, beijando a cabeça de Wolf.

 

- És tão grande! - Guinchou feliz, aconchegando a filha nos seus braços. - Mesmo assim eu até pensava que ela pesava menos! Oh, estou tão orgulhosa! Senta aqui também, para o Wolfie também ver a priminha. - Pedinchou.

 

- Eu ainda não vejo tia, mais uns mesinhos e já lhe chamo de gostosa. - A morena riu, aproximando-se mais da amiga com cuidado.

 

- Tem estado tudo bem com ele? - Questionou Bill, olhando para o irmão e a cunhada.

 

- Ele é uma paz. Só chora para comer e mesmo assim por vezes acorda durante a noite e fica um tempo sem fazer o que seja, é muito calminho. - Explicou Agnes.

 

- O que é que tu pensas? O meu filho é do mais perfeito que há, uma paz de alma! - Brincou, todo ele muito orgulhoso e convencido. - E claro, sempre que vem para o meu colo está sempre muito quieto e sossegado. É muito amor por mim.

 

- Oh, até parece. Ele é assim com todos nós, quando pego nele ao colo também está sempre quietinho. - Sorriu a loira, voltando a olhar para a sua filha que se mexeu um pouco. - É filha, é o primo Wolfie.

 

- Sim, mas o Wolf dorme bastante com o Tom, sobre o peito dele. Quero que ele sinta o Tom como me sente a mim, criar a mesma veiculação porque ele também tem direito a participar tanto nisto como eu. - Clarificou com um sorriso, passando o nó do dedo pela boca do seu pequeno de maneira a perceber se ele teria fome ou não. - Já está a apertar essa fome?

 

Tom estava perto da mulher, apreciando sempre o seu menino - Eu adoro estar com o Wolf, é das melhores coisas do mundo - Afirmou super contente, olhando depois o irmão.

 

- Obrigado por estarem todos aqui... - Murmurou Tash, com um sorriso carinhoso, olhando para todos os presentes - Significa muito para mim ter-vos aqui comigo...

 

publicado às 15:00
editado por Daniela C. a 23/8/17 às 19:51


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Currently Posting

No Control

Informações

Quando tudo parecia quase perfeito, os fantasmas do passado voltam a surgir. Natasha vê-se encurralada com um passado capaz de arruinar o seu futuro e determinado a destruir os que ama. Será capaz de controlar tudo o que a rodeia?


Currently Writing

Lost In You



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.